Arquivo | abril 2013

Você está navegando os arquivos do site por data.

Bobosservando

Para ler ouvindo: Nuvens Carregadas, Bazar Pamplona Quando eu era criança, gostava de observar as pessoas que passavam por mim na rua. Às vezes sentava em um banco, normalmente no shopping, e ficava tentando imaginar o que as tinha levado até ali. A minha mãe chamava isso de “observar os bobos” ou “bobosservar”. As minhas […]

O meu dia de Amélie Poulain

Para ler ouvindo: J’y suis jamais allé, Yann Tiersen Quantas vezes na vida a gente tem a opção de fazer alguma coisa igual à Amélie? Eu não me arriscaria a tentar conquistar um namorado com a mesma metodologia que ela usou com o Nino, nem de sacanear o pai daquele jeito. Mas parte do segredo […]

Quando as coisas mudam

Para ler ouvindo: La Valse d’Amélie/ João e Maria, Banda Seu Chico Nos últimos anos, desde que me mudei de volta para São Paulo, eu morei em quatro endereços diferentes. Mas eu tinha um endereço fixo: pelo menos duas noites por semana qualquer pessoa podia me encontrar no Studio SP. Fui parar lá por acaso. […]

O que importa é o prazer

Para ler ouvindo: A Rolinha e o Minhocão, Trupe Chá de Boldo Por melhor que seja um relacionamento, é normal que ele fique um pouco azedo às vezes. Tudo é questão de cada uma das partes decidir se o azedume é temporário ou não. Há alguns dias eu fui ao show do Tono no Studio […]

Adendo ao post de terça

Eu tenho um triste adendo ao post que publiquei nesta terça-feira, e que adianta um pouco o que quero escrever para a semana que vem. Ontem eu estava no Studio SP, no Baixo Augusta, para a estreia do maravilhoso disco da Andreia Dias. Cheguei cedo, como de costume (o nome do projeto é Cedo e […]

Quantos celulares uma pessoa tem na vida?

Para ler ouvindo: Quem procura, Filarmônica de Pasárgada Mesmo vivendo há tantos anos na cidade de São Paulo, e tendo o hábito de andar sozinha à noite em lugares “perigosos” (citação do meu pai), eu costumava me gabar, não muito ajuizadamente, de nunca ter sido roubada. Sem juízo e sem razão, na verdade, porque há […]